FORMA URBANA E ORGANIZAÇÃO SOCIOESPACIAL: um estudo da Comunidade do Timbó, em João Pessoa – PB

Por Ana Luzia Pita (Arquiteta e urbanista, mestranda pelo Programa de Pós-graduação em arquitetura e urbanismo da UFPB), orientador(a): Jovanka Baracuhy Cavalcanti Scocuglia ( Professora Doutora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, professora dos Programas de Pós-Graduação de Arquitetura e Urbanismo e de Sociologia da Universidade Federal da Paraíba (PPGAU, PPGS/UFPB) e Coordenadora do Leccur).

Trata-se de um estudo sobre a organização socioespacial expressa através da segregação e da autossegregação, averiguando como esta se revela no espaço urbano. Com a finalidade de compreender a conformação da segregação no espaço da favela será realizado um estudo de caso através de uma análise da forma e configuração socioespacial da Comunidade do Timbó, em João Pessoa-PB, no Bairro dos Bancários. Este é considerado um bairro de classe média, bem servido de infraestrutura urbana, no entanto, a população da comunidade padece com a precariedade das moradias, a insalubridade, falta de espaços para sociabilidade e alta densidade construtiva e demográfica do setor onde está locada. Para alcance dos objetivos é imprescindível a análise de algumas variáveis no meio urbano do Timbó: acessos/acessibilidade, localização, infraestrutura, traçado, lotes, quadras e vias de circulação, bem como das barreiras físicas que dificultam a ligação direta da favela com o bairro. A análise será embasada por alguns autores como: Frederico Holanda (2010), Maria Elaine Kohlsdorf (1996), Paola Berenstein Jacques (2003), Kevin Lynch (1999) e José Lamas (2004). Os conceitos sobre forma urbana, abordados por estes autores, serão transpostos para a apreensão e leitura do espaço da comunidade. Aspira-se que este trabalho possa contribuir para melhoria da qualidade de vida da população e das moradias da comunidade.