Luciano Agra quer adotar na Capital modelo de transporte semelhante ao de Bogotá

O prefeito de João Pessoa, Luciano Agra, pretende trazer para João Pessoa as experiências adquiridas em sua participação na ‘V Feira Internacional de Transporte Massivo’, realizada em Bogotá durante esta semana. Luciano Agra e o superintendente da STTrans, Nilton Pereira, participaram também do Congresso ‘Movilidady Transporte 2011’, que aconteceu em paralelo a Feira, reunindo empresários e especialistas da área de transportes de vários países.

Durante o evento foram realizadas palestras e debates com profissionais e gestores sobre o ‘Transmileniun’, nome do sistema revolucionário de transporte público implantado em Bogotá.  Luciano Agra e Nilton Pereira puderam conhecer as novas tecnologias veiculares utilizadas no setor, a exemplo do ônibus biarticulado, com capacidade para 250 passageiros.

A convite dos dirigentes do Transmileniun, o prefeito e o superintendente da STTrans também tiveram a oportunidade de andar nos ônibus do sistema, conhecer linhas, estações de embarque/desembarque de passageiros, terminais de integração, garagens e, principalmente, o centro de controle, onde acontece a administração de todo sistema.

“A presença em Bogotá foi de extrema importância para conhecer de perto o funcionamento do sistema de transportes considerado um dos melhores entre os países em desenvolvimento, verificar sua eficiência e os principais problemas enfrentados pela população. Foi uma experiência que nos permitiu conhecer o que está dando certo e não cometer os mesmos erros que geraram os problemas que hoje eles enfrentam”, destacou Luciano Agra, lembrando que a PMJP está em fase de implantação das primeiras intervenções a serem feitas no sistema de transportes e trânsito da Capital.

www.joaopessoa.pb.gov.br

E você, é a favor ou contra a inserção do VLT como alternativa na melhoria do trânsito em João Pessoa? Porquê?

DEIXE SUA OPINIÃO!

 

Analisando e vivenciando o espaço urbano (Continuação)

Os ambientes urbanos podem ser analisados e vivenciados de diferentes formas e com intensidades variadas. Apresentamos aqui  outros 2 documentários desenvolvidos com alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFPB  nas quais procuramos analisar trechos urbanos (praças, ruas, calçadas, mercados públicos, terminais de integração, entre outros) acentuando a relação entre usuários e ambiente, corpo e cidade e identificando os conflitos relativos especificamente aos usos e apropriações de espaços urbanos contemporâneos. Foram utilizadas diversas ferramentas de pesquisa e apresentação dos resultados. Damos destaque aos resultados apresentados em forma de documentários, vídeos produzidos  pelos próprios alunos com imagens e informações coletadas por meio de observações em campo, depoimentos de usuários, técnicos e responsáveis por projetos e intervenções urbanas, pesquisas documentais em arquivos públicos e privados e caminhadas, passeios aleatórios, deambulações pela cidade com o objetivo de desenvolver formas de aproximação dos ambientes urbanos e de metodologias alternativas de análise dos espaços na cidade contemporânea.

PARQUE SOLÓN DE LUCENA

Localizado na cidade de João Pessoa – PB, O Parque Sólon de Lucena é um dos principais cartões postais da capital paraibana sendo caracterizado por uma forte identidade espacial resultante dos elementos estruturadores do espaço, bem como da diversidade de funções que o parque possui. As transformações ocorridas ao longo dos tempos alteraram significativamente a função do espaço, onde inicialmente estava inserido em um contexto urbano residencial e, ao passar das décadas, foi se consolidando o potencial comercial e viário. A mudança no uso do solo dos bairros adjacentes ao parque bem como as políticas públicas aplicadas à cidade nas décadas de 1930 e 1940 alterou significativamente a forma como os usuários passaram a utilizar o espaço. Tais mudanças implicam na diversidade de funções que a “Lagoa” possui: como patrimônio histórico e natural, cartão postal ou elemento de identidade da cidade, centro de comércio, lazer, e como ponto nodal de convergência viária, atraindo, assim, milhares de pessoas diariamente, o que confere vida espacial, vida social e um alto grau de urbanidade, apesar das problemáticas diagnosticadas. (Produzido por: Tamilla Rênelly Rodrigues e Thaise de Lourdes Batista dos Santos; Orientação: Jovanka Baracuhy Cavalcanti Scocuglia).

A CALÇADINHA DO CABO BRANCO

A orla marítima de João Pessoa, principalmente na praia do Cabo Branco recebe iniciativas e tratamentos que visam estimular a prática de exercícios físicos, como a caminhada, o ciclismo e a patinação. Ações como o impedimento do tráfego de veículos automotores durante o começo da manhã e mais recentemente a implantação da ciclovia em toda a extensão do Cabo Branco são grandes atrativos que propiciam um espaço convidativo a contemplação e uso da praia pela população.

Este documentário visa analisar como as pessoas se apropriam do espaço da calçadinha da Av. Cabo Branco para realizar diferentes modalidades de atividade física em horários diferentes do dia. Durante a realização do trabalho, buscamos compreender como alguns mecanismos de projeto urbanístico que foram implantados no local influenciam os padrões de utilização do espaço público do passeio e verificar se havia conflitos entre os fluxos de praticantes de modalidades diferentes, ressaltando as divergências entre pedestres, ciclistas e patinadores, e quais seriam as possíveis causas de tais conflitos. (Produzido por: Mateus Massa e Rebeca Ramalho; Orientação: Jovanka Baracuhy Cavalcanti Scocuglia).